quarta-feira, 30 de junho de 2021

Haganai Volume 3 - Capítulo 2


Capítulo 2: História

O segundo dia das férias de Verão.

Yozora reclamou sobre eu estar atrasado ontem por ter aparecido apenas no horário em que normalmente nos encontramos, de modo que hoje eu fui para a escola assim que terminei de almoçar.

Vendo que hoje estava simplesmente tão quente quanto ontem, Kobato novamente optou por ficar em casa.

Eu cheguei a sala do Clube apenas alguns minutos depois de uma da tarde.

O único que estava na sala era o Yukimura.

– Excelente trabalho como sempre, Aniki.

– Yo... Embora eu realmente não tenha feito nenhum trabalho hoje.

Enquanto fazia um rápido comentário para responder o Yukimura, que estava inclinando a cabeça para mim como se eu fosse algum chefe de uma gangue da yakuza que acabava de sair da prisão, eu perguntei,

– Onde estão todas as outras?

– Tanto a Sena-anego quanto a Yozora-anego ainda devem estar para chegar, e a Lady Maria hoje está ocupada com seus deveres de irmã.

– Entendo... Você entregou a comida para a Maria?

– Sim. De acordo com suas instruções, eu também me assegurei que se tratasse de uma refeição saudável.

– Ohh? O que você deu a ela?

– Uma substância conhecida como proteína. Eu ouvi dizer que é algo que faz muito bem para o corpo.

Havia uma garrafa de pílulas de proteína caída sobre a mesa.

Não posso negar que isso é realmente bom para o corpo, mas...

– Por que você sempre tem que ir de um extremo ao outro!?

Eu gritei e peguei a garrafa.

Ela estava completamente vazia.

– ... A Maria por acaso comeu tudo isso?

– Sim. Ela não parecia estar muito satisfeita com isso, mas eu fui ordenado por você a alimentá-la, Aniki, então eu não tive outra escolha além de endurecer meu coração e forçá-la a comer.

– Você está brincando comigo...

Eu realmente não conseguia imaginar o pequeno Yukimura forçando a Maria a terminar toda a garrafa de pílulas de proteína.

Em seguida, com um olhar manso em seu rosto, Yukimura disse,

– ... Agora eu compreendo os sentimentos de Hideyoshi Hashiba quando Manpukumaru *V* foi executado.

– Manpukumaru?

– Ele era o filho mais velho de Nagamasa Asai. Após a derrota de seu pai pelas mãos de Oda Nobunaga, ele foi então crucificado por Hideyoshi sob ordens de Nobunaga. Ele era apenas uma criança de dez anos.

– ... Um garoto de dez anos, hein... Eu me sinto mal por ele.

A propósito, a Maria também tem dez anos de idade.

– Sim. Eu acredito que os gritos e o choro de Manpukumaru tenham sido bastante semelhantes aos da Lady Maria.

– Eles soaram semelhantes!?

– ... Começando por amanhã, não se preocupe em fazer refeições saudáveis e opte por algo com sabor comum... Tente dar a ela algo mais normal que uma garrafa de pílulas, sabe, algo que ela realmente vá querer comer. Nós não estamos mais no período Sengoku, então não há porque repetir a tragédia de Manpukumaru.

– Muito bem, deixe comigo.

A única coisa boa sobre isso era o fato de que ele me escutava.

– ... Você entende o que quero dizer, certo?

Enquanto pensava sobre as várias tragédias na história, eu me sentei no sofá.

Eu percebi que poderia muito bem matar algum tempo até que a Yozora e o resto chegassem aqui, então peguei um livro na minha bolsa e comecei a ler.

.... No entanto, eu não conseguia me acalmar de verdade.

Virei-me e dei de cara com Yukimura parado ali com sua poker face, apenas olhando para mim.

– ... Yukimura.

– Sim, há algo que você deseje de mim?

Yukimura me perguntou, por algum motivo com um tom de voz muito feliz.

– Ah, é só que eu realmente não consigo me acalmar desse jeito, então será que você poderia parar de olhar para mim?

Quando eu disse isso, Yukimura foi de alegre para triste em um piscar de olhos.

Sua expressão facial não mudou muito, mas eu fui capaz de sentir a atmosfera ao redor dele se alterando.

– Poderia ser... que eu sou um incômodo para o Aniki?

– Não, não é como se você estivesse me incomodando...

– Se há algo de insatisfatório em meu comportamento, eu irei corrigir esta falha imediatamente, então, eu imploro, Aniki, permita-me ficar ao seu lado.

– ... Uu

Gh, ele está sendo tão ridiculamente excessivamente formal comigo, como sempre, mas quando ele me olha com esses olhos marejados, isso faz com que eu sinta que estou fazendo algo terrível!

– ... Você pode fazer o que quiser.

Eu diss3, exausto. Isso fez o rosto de Yukimura se iluminar como se fosse uma lâmpada.

E assim, enquanto o olhar abrasador de Yukimura seguia focado em minhas costas, quando eu terminei de ler minha novel já era pouco depois das seis da tarde.

– Então, no fim acabou que ninguém apareceu... Acho que também deveríamos ir para casa.

Levantei-me do sofá.

– Vejo você amanhã, Aniki.

– Sim.

Eu me separei de um Yukimura de expressão triste e comecei minha jornada de volta para casa.